Advogado de Charlie Shrem “desmente” irmãos Winklevoss sobre roubo de 5000 unidades de Bitcoin

“Os ativos pertenciam ao Sr. X”

Recentemente os irmãos Winklevoss, fundadores da exchange de criptomoedas Gemini, entraram com um processo contra o antigo sócio, Charlie Shrem, pelo roubo de 5000 unidades de Bitcoin em 2012.

De acordo com o advogado de Shrem, Brian Klein, a quantia em Bitcoin supostamente roubada dos irmãos pertence a outro investidor, referido como “Sr. X”.

“Shrem não se envolveu em nenhum crime. Ponto.”, declarou

O advogado acrescentou ainda que a ação só poderia ser uma emboscada para prejudicar seu cliente.

Aparentemente, os irmãos Winklevoss deram a Shrem US$250.000 para ajudá-los a investir em Bitcoin. De acordo com eles,  US$61.000 nunca foram contabilizados, e Charlie teria utilizado o capital para comprar 5000 Bitcoins, que atualmente valem mais de US$32 milhões.

Como prova do delito, os irmãos apontaram o estilo de vida de Shrem, que não condizia com sua declaração antes de ser preso em 2015, quando alegou não possuir dinheiro.

Na época, Charlie foi detido pela venda de criptomoedas para indivíduos que declararam utilizar os ativos para comprar drogas na Dark Web.

Após um ano de prisão e uma multa de US$1 milhão, o empresário “falido” vivia com estilo, rodeado de carros luxuosos, mansões e lanchas.

De acordo com Klein, o capital pertencia ao Sr. X, que pediu a ajuda de Shrem para mover seus ativos para uma cold wallet em dezembro de 2012.

“Não podem provar que Shrem está envolvido em qualquer má conduta. (…) Ele pode evidenciar que não aceitou os 5000 Bitcoins que os irmãos o acusam de roubar”

 Klein declarou ainda que o caso levantado contra seu cliente é absurdo.

FONTE: CCN