Perth Mint, maior refinaria de ouro da Austrália, anunciou seus planos de desenvolver uma criptomoeda com lastro em ouro físico. Caso obtenha sucesso em criar a altcoin, ela se juntará à uma longa lista de moedas virtuais que visam seduzir investidores de criptomoedas a experimentar uma moeda virtual apoiada por uma commodity, incluindo a que será lançada em breve pela Venezuela, chamada petro.

O CEO da Perth Mint, Richard Hayes, afirmou em entrevista concedida à Australian Broadcast Corporation:

“A companhia identificou uma oportunidade única em trazer investidores de volta ao mercado de metais preciosos após o boom de investimentos alternativos, como as criptomoedas”.

Ele continua:

“Eu acredito que, enquanto o mundo passa por um momento onde a incerteza está aumentando, você vê mais e mais pessoas procurando por formas alternativas de oferta. Com isso, você vê um fluxo massivo de fundos sendo direcionados para coisas como Bitcoin, porque as pessoas estão procurando algo diferente dos investimentos tradicionais.”

Leia mais: Governo australiano concede $8 milhões para projeto em blockchain.

O CEO da Perth Mint afirma que criptomoedas lastreadas por ouro possuem estabilidade de preços

Hayes explicou sobre a decisão da Perth Mint de desenvolver uma criptomoeda baseada em ouro. Ele enfatiza os supostos benefícios de se utilizar uma tecnologia de livros contábeis descentralizados para obter uma rápida e eficiente liquidez, enquanto provê uma criptomoeda com estabilidade de valor que outras criptomoedas sem suporte não possuem.

Ele acrescenta:

“Utilizar metais preciosos para apoiar algo […] juntamente com blockchain […] retém o valor intrínseco da coisa,” afirmando ainda que criptomoedas sem suporte “dependem da crença das pessoas.”

“Com uma oferta de cripto-ouro ou criptometais preciosos, você verá que o ouro está, de fato, apoiando estas moedas”, expôs Hayes. “Desta forma, esta moeda terá todos os benefícios de algo que está em livros contábeis descentralizados, com uma liquidez rápida, que é facilmente trocável, e ainda está baseada em metais preciosos. Então há realmente algo por trás desta moeda, algum apoio.”

Leia mais: Regulamentação do Bitcoin ganha sinal verde na Austrália.

Criptomoedas apoiadas por commodities proliferam

Caso seja bem sucedida em seu lançamento, a altcoin da Perth Mint se juntará à uma ampla lista de criptomoedas que têm ouro como lastro. Ano passado, a ICO Onegram (uma criptomoeda supostamente em conformidade com a Xaria e tendo ouro como lastro) obteve uma atenção global significativa, atenção esta que a companhia acreditou que seria traduzida em uma venda de mais de $500 milhões em tokens.

Ao final de sua primeira fase, Onegram vendeu apenas 16926 das 12400786 Onegramcoins (OGC) que a companhia esperava vender – compondo menos de 0,14% da meta da companhia. Atualmente, Onegram afirma que a plataforma ainda está em desenvolvimento, dando aos seus investidores a opção de retornar as moedas adquiridas com um retorno de 25%.

A Venezuela anunciou recentemente que iria lançar uma criptomoeda apoiada por uma commodity, chamada petro – uma criptomoeda nacional supostamente apoiada em 5 bilhões de barris de petróleo. Nas últimas semanas, membros do governo venezuelano estimulou que países vizinhos adquirissem a criptomoeda. Até o momento, parece que governo venezuelano buscará vender a petro no mercado privado com descontos de até 60%, tendo como início o dia 15 de fevereiro.

Leia mais: Venezuela proíbe mineração de Bitcoin.

Fonte: Bitcoin.com

Edição: Webitcoin



As melhores taxas e transações em tempo real, só na 3xbit.


Comece agora 3xbit.com.br!